No meu primeiro post sobre o Chile, vou falar como foi viajar com a companhia aérea TAM, partindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos com destino à cidade de Santiago, mostrando detalhes dos voos da ida e da volta. Na ligação entre São Paulo e a capital chilena há dois voos diretos diariamente oferecidos pela TAM, além de outros quatro voos diretos operados pela companhia aérea chilena LAN. Ambas operam em code-share, compartilhando os voos, por isso é possível comprar passagens de uma no site da outra e vice-versa.

Airbus A320 da TAM em Florianópolis

Veja também:
Roteiro de 3 dias em Santiago do Chile
Dicas de Restaurantes em Santiago
Dicas de Compras em Santiago: shoppings, outlets e lojas de departamento

 

A passagem foi emitida com pontos do programa de fidelidade pelo site da TAM, numa promoção lançada recentemente (março de 2012) que oferecia voos do Brasil para o Chile a partir de 6 mil pontos. Foi esse o valor que eu consegui comprar, tanto para o voo da ida quanto da volta, sendo assim gastei apenas 12 mil pontos na viagem toda, quando o normal seria 15 mil pontos por trecho. Foi preciso apenas pagar as taxas de embarque que custaram pouco mais de R$170,00.  Acho que essa promoção ainda está ativa e vale para saídas de diversas cidades brasileiras para os próximos meses.

Airbus A320 da TAM em Guarulhos
Airbus A320 da TAM em Guarulhos

 

A viagem para o Chile na verdade começou em Florianópolis, onde moro. O voo com destino a Guarulhos partiu as 13h50 e durou uma hora. Em São Paulo foram quatro horas aguardando a conexão para o próximo voo. A TAM possui dois voos de Guarulhos para o Chile, o primeiro partindo às 8h20, operado por um Boeing 777-300 e o segundo partindo às 18h30, num Airbus A320. Foi neste segundo que eu viajei.

O voo estava muito cheio e teve quatro horas de duração e chegou em Santiago as 22h30. Não havia nenhum entretenimento à bordo, apenas revistas, o que é péssimo para um voo de longa duração. Pelo menos no serviço de bordo foi servida um jantar, com duas opções: frango grelhado com arroz ou massa com molho de tomate, ambos acompanhados de pão, salada e um pudim de sobremesa. Para beber, além de refrigerantes, sucos e cervejas, era possível escolher vinho, tinto ou branco.

Interior do A320 da TAM
Interior do A320

 

Serviço de bordo TAM
Jantar servido no voo de ida

 

Está gostando das dicas?
Compartilhe-as com sues amigos nas redes sociais
utilizando os botões coloridos no canto esquerdo da tela

 

A volta de Santiago para Guarulhos foi feita num Boeing 777-300, que partiu às 13h40 e chegou em São Paulo às 17h. Havia um outro voo mais cedo, num Airbus A320 que partia as 8h00. A viagem de volta para o Brasil é um pouco mais curta que a ida, tem pouco mais de três horas de duração. O voo estava lotado e ao contrário do voo da ida, havia sistema de entretenimento individual, com várias opções de filmes, seriados, documentários e músicas. O almoço servido foi bem parecido com o primeiro voo: frango ou pasta.

Por ter comprado um bilhete promocional, não consegui reservar minha poltrona nos voos entre o Brasil e o Chile, por isso na volta acabei tendo que sentar no corredor. Queria muito ter sentado na janela para poder observar a passagem sobre a Cordilheira dos Andes, com um visual da cadeia montanhosa coberta de neve. Antes da viagem tinha lido no blog “Malas e Panelas” que a melhor posição para sentar no voo da volta é do lado esquerdo da aeronave (e no lado direito na ida). Não consegui marcar meu assento e para piorar estava sentado sobre a asa, sem conseguir espiar a janela da poltrona vizinha. Por isso tive que me contentar em observar as montanhas pelo sistema de câmeras ao vivo da aeronave.

Boeing 777-300 da TAM no Aeroporto de Santiago
Boeing 777-300 no Aeroporto de Santiago

 

Interior do Boeing 777-300 da TAM
Interior do 777

 

Observando a Cordilheira dos Andres pela câmera do avião

 

Os voos com a TAM foram bons, mas vale a pena deixar registrado algumas reclamações. Para entrar no Chile os brasileiros precisam preencher dois formulários de imigração. Eu esqueci de levar uma caneta e solicitei às comissárias. Nenhuma delas tinha uma para me emprestar e tampouco tiveram a iniciativa de procurar alguma. Além disso o comandante fez uma certa confusão em relação à hora local em Santiago na hora do pouso, dizendo uma hora a menos do que realmente era. E os embarques, tanto na ida quanto na volta, foram confusos e tumultuados.

Finalizo o post com um vídeo que eu fiz, decolando do aeroporto de Florianópolis no início da viagem…

 

Veja mais detalhes do aeroporto chileno no post: “O Aeroporto de Santiago e transfer para o hotel com a Transvip“, onde falo sobre imigração, check-in, salas de embarque, duty free e transfer para o hotel.

 

Posts Relacionados:
Onde se hospedar em Santiago: dicas de hotéis
Vale a pena fazer passeios em Santiago com uma empresa de turismo local?
Alugando um carro em Santiago e dirigindo pelas montanhas e estradas do Chile
Os Táxis e e Metrô de Santiago: Preços e Mapa
Casas de Câmbio em Santiago e o Peso Chileno
Como é dormir no Slaviero Fast Sleep, o hotel dentro do Aeroporto de Guarulhos

 

Veja também outros relatos de companhias aéreas:
Voando com a Pluna para o Uruguai, de Porto Alegre a Montevidéu
Voando com a South African Airways de São Paulo a Joanesburgo
Voar com a Lufthansa para a Alemanha e o Aeroporto de Frankfurt

 

Faça parte da comunidade “Meus Roteiros de Viagem”
Acompanhe o blog nas redes sociais FacebookTwitter e Google+
Siga o perfil @meusroteirosdeviagem no Instagram
e marque suas fotos com a hashtag #meusroteirosdeviagem

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...