O Aeroporto Internacional de Santiago, também conhecido como Aeroporto Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez (código SCL), é principal aeroporto do Chile e porta de entrada para os brasileiros que desejam visitar o país. Ele está localizado na comuna de Pudahuel, a 25 km do centro de Santiago. Nesse post vou falar de alguns aspectos do aeroporto, tais como sua estrutura, voos, imigração, duty free e os meios possíveis de se fazer o translado para a cidade, incluindo detalhes do transfer oferecido pela empresa Transvip.

Aeroporto Internacional de Santiago
Aeroporto Internacional de Santiago

 

Veja também:
Onde se hospedar em Santiago: dicas de hotéis
Casas de Câmbio em Santiago e o Peso Chileno
Dicas de Restaurantes em Santiago
Dicas de Compras em Santiago: shoppings, outlets e lojas de departamento

 

O aeroporto está entre os 10 mais movimentados da América Latina em número de passageiros. Em 2011, 12 milhões de pessoas passaram por ele, um acréscimo de 17,4% em relação ao ano anterior, cuja demanda foi muito afetada pelo terremoto que devastou o país. Há um único terminal com 18 pontes de embarque, sendo 10 para os voos internacionais e 8 para os voos nacionais. São 24 companhias aéreas que atendem 18 destinos domésticos e 44 em outros países, espalhados pelas Américas, Europa e Oceania.

Saguão do Aeroporto Internacional de Santiago
Área de check-in do aeroporto

 

Os voos regulares para o Brasil são feitos pelas companhias TAM, LAN e Gol. De Guarulhos partem dois voos diretos pela TAM e outros quatro pela LAN, enquanto no Rio de Janeiro há um voo direto pela LAN. Já os voos da Gol partem de Guarulhos e Porto Alegre, porém fazem uma escala em Buenos Aires. Durante a alta temporada ainda há voos fretados diretos para Florianópolis, operados pelas companhias LAN, PAL Airlines, Pluna e Sky Airline.

Para o check-in da companhia aérea TAM há aproximadamente 12 balcões operando. As filas costumam ser imensas, algo que já estamos acostumados aqui no Brasil. Meu voo era as 13h40 e cheguei no aeroporto por volta das 11h30, a fila já estava bem grande. Por isso aconselho chegar o mais cedo possível, para fazer o check-in com calma e ter tempo para fazer o controle de passaprotes, raio-x e compras no duty free. Meu relato sobre o voo da TAM pode ser encontrado no post “Voando com a TAM de São Paulo a Santiago do Chile“.

Check-in no Aeroporto de Santiago do Chile
Fila no check-in da TAM em Santiago

 

Airbus 777-300 da TAM no Aeroporto de Santiago
Airbus 777-300 da TAM no Aeroporto de Santiago

 

Está gostando das dicas?
Compartilhe-as com sues amigos nas redes sociais
utilizando os botões coloridos no canto esquerdo da tela

 

O duty free shop na chegada está localizado logo depois do setor de imigração. Já o da saída está logo depois do raio-x, antes do acesso às salas de embarque. Este é um pouco menor que o duty free da chegada do aeroporto de Guarulhos e vende praticamente as mesmas coisas, mas o preço é um pouco mais barato. Anotei o preço no free shop de São Paulo de alguns itens que queria comprar e notei uma diferença de 1 a 2 dólares a menos na loja de Santiago. Há várias outras lojas espalhadas pelo setor de embarque internacional, incluindo grifes de roupa e lojas de vinho.

Lojas no Aeroporto de Santiago do Chile
Lojas no setor de embarque internacional

 

Salas de embarque

 

Na imigração, para entrar no país, os brasileiros não precisam apresentar o passaporte, a cateira de identidade já é suficiente, mas ela precisa ser recente. Quem quiser entrar com o passaporte deve ficar atento à data de validade do mesmo, que é verificada na hora do embarque ainda em São Paulo. Durante a viagem de ida são entregues aos passageiros dois formulários, obrigatórios para estrangeiros que ingressam no Chile. O primeiro é para o serviço de imigração e o segundo para a aduana. Ao passar pela imigração uma via do documento fica com o passageiro e deve ser apresentada na hora de sair do país. Já na aduana é necessário passar as malas por uma máquina de raio-x antes de sair para o saguão do aeroporto.

Formulário da Imigração - Chile
Formulário da Imigração

 

Formulário da Aduana do Chile
Formulário da Aduana

 

Há diversas opções de transporte do aeroporto até o centro da cidade. O mais recomendável é utilizar empresas autorizadas para evitar qualquer tipo de transtorno.

Taxi – as empresas oficiais são a Taxi Oficial e Taxi Vip (Transvip), com preços que variam conforme a distância percorrida e o bairro desejado. Os guichês estão localizados logo depois do raio-x da aduana, antes mesmo de sair para o saguão do aeroporto.

Ônibus – há duas empresas oficiais que levam os passageiros a determinadas estações de metrô espalhadas pela cidade: a Turbus tem o custo $1.700 pesos chilenos (aproximadamente R$7,00) somente ida, ou $2.900 CLP (R$11,60); e a CentroPuerto custa $1.600 CLP (R$6,40) somente ida, ou $2.800 CLP (R$11,20) ida e volta.

Veículos alugados – sete empresas possuem lojas/guichês no aeroporto: Alamo, Avis, Budget, Econorent, Hertz, Europcar e Rosselot. Mas há outras que, apesar de não estarem localizadas no aeroporto, levam o carro até lá para o cliente, como a United Rent a Car, empresa que eu aluguei um carro a partir do segundo dia em Santiago. Veja mais detalhes da locadora no post “Alugando um carro em Santiago e dirigindo pelas montanhas e estradas do Chile“.

A minha opção escolhida foi um transfer direto para o hotel, com a empresa Transvip, uma das empresas de taxi oficiais do aeroporto. A reserva do translado pode ser feita pelo site da empresa (www.transvip.cl) ou diretamente pelo email r[email protected]. Escolhi esta segunda opção. Primeiramente enviei um email para fazer orçamento e depois com os dados solicitados: nome completo, telefone de contato, numero de passageiros, destino, data da viagem, número do voo, companhia aérea e forma de pagamento, que pode ser em peso chileno, dólar ou cartão de crédito.

Os serviços da Transvip podem ser de três categorias:
Taxi compartilhado com outras pessoas – $6.500 CLP por pessoa (R$26,00), quando houver outros passageiros  indo para o mesmo destino que o seu.
Veículo exclusivo – $18.000 CLP (R$72,00) por veículo, que comporta de uma a três pessoas. Pode-se dizer que é a mesma coisa que um taxi executivo.
Van excluvisa – $21.000 CLP (R$84,00) por van, com capacidade para até 7 passageiros.

Como não havia mais ninguém indo para o mesmo destino que o nosso, tivemos que optar pelo veículo exclusivo. O pagamento foi feito em dólar no cartão de crédito, US$36,00, o equivalente a $18.000 ou R$72,00, ou seja, acabou saindo R$36,00 por pessoa, já que estávamos em dois. Logo que passamos no raio-x da aduana já encontramos o guichê da empresa e meu nome estava num televisor, com o horário da minha reserva. O pagamento foi feito ali mesmo e com o recibo em mãos fomos encaminhados para o veículo, que nos aguardava logo na porta de saída do aeroporto, onde havia alguns funcionários para auxiliar. Em pocou mais de 15 minutos já estávamos no hotel. O serviço da Transvip foi eficiente e, principalmente, seguro, por isso eu recomendo.

 

Posts Relacionados:
Roteiro de 3 dias em Santiago do Chile
Vale a pena fazer passeios em Santiago com uma empresa de turismo local?
Os Táxis e e Metrô de Santiago: Preços e Mapa
Dica de Hotel em Santiago: NH Ciudad de Santiago, no bairro Providencia
Santiago – Tour no Palacio de La Moneda, a sede do governo chileno
Santiago – Degustação de Vinhos na Vinícola Concha y Toro
Conexão longa em Guarulhos: O que fazer para passar o tempo?

 

Faça parte da comunidade “Meus Roteiros de Viagem”
Acompanhe o blog nas redes sociais FacebookTwitter e Google+
Siga o perfil @meusroteirosdeviagem no Instagram
e marque suas fotos com a hashtag #meusroteirosdeviagem

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...